Juntas por Barueri

Somos uma candidatura coletiva formada por sete mulheres:

Aline, Anne, Jamile, Karina, Leila, Rose e Sabrina.

JUNTAS estamos pleiteando uma vaga de vereadora na câmara municipal de Barueri!

Em caso de eleição, o gabinete será composto pelas 7 co-vereadoras, que elaborarão projetos de lei e fiscalizarão o executivo de forma coletiva.

Para o sistema eleitoral a voz que irá nos representar é a Rose Soares! Isso significa que é ela quem terá o poder de fala e de proferir voto na câmara de vereadores.

O salário será equalizado igualmente entre as sete.

Ou seja, pelo custo de apenas uma vereadora eleita VOCÊ terá mais representatividade dentro da câmara, sem nenhum prejuízo aos cofres públicos!

As mulheres do JUNTAS POR BARUERI se encontraram após 2018 e seguimos JUNTAS contra governos fascistas, coronelistas e autoritários!

QUEM SOMOS

Conheça nossas 7 candidatas a co-vereadoras

Apresentação das integrantes da Mandata Coletiva Juntas por Barueri

Aline valentim

Tem 28 anos, mãe solo da Duda, manicure, técnica de radiologia médica e estudante de Direito. Trabalha nos bairros engenho novo e boa vista há 15 anos. Vem de uma família simples, sua mãe copeira e seu pai soldador e sindicalista.


Sempre estudou em escolas públicas e participou de grêmios estudantis. Companheira de seu pai na militância passou parte da sua vida acordando às 4 da manhã para ir nas portas das empresas defendendo os direitos dos trabalhadores e movimentos por moradia digna, pois moradia é essencial e constitucional.


Militante em partidos de oposição, ativista nas lutas de movimentos anti racistas e a favor da mulher. Se encontrou neste caminho quando percebeu as desigualdades sociais, o machismo e agressões racistas nas quais deixaram marcas e cicatrizes. Acredita nessa nova geração, na transformação e renovação dessa cidade com a nova política. Vamos juntes por uma Barueri próspera e ampla para todos.

anne senir

Tem 31 anos, é mulher branca periférica, antirracista, mãe solo e comerciante.


Foi criada sozinha pela mãe que trabalhava como doméstica na cidade de Barueri. Frequentou escolas públicas desde a pré escola até o final do ensino médio. Iniciou as atividades como comerciante em 2010, sempre deixando o seu espaço aberto para artistas independentes se apresentarem. Atuou, também como ativista cultural, promovendo uma série de eventos em espaço privado com o objetivo de fomentar cultura no município.


Atualmente seu foco é a alimentação natural, baseada na saúde da família e produção do próprio alimento dentro dos espaços urbanos.


Militante pelo Movimento Vivas, feminista, pretende atender às necessidades principalmente das mulheres vítimas de violência e periféricas. Acredita na possibilidade de ganho de qualidade de vida dentro das periferias através de políticas públicas voltadas para a cultura, meio ambiente e educação.

jamile damasio

31 anos, nordestina, possui deficiência visual monocular, profissional de TI e graduanda em Serviço Social.


Mulher preta, de periferia, filha de doméstica, moradora de Barueri há 23 anos, residente dos bairros Parque dos Camargos e atualmente no Jardim Santa Mônica. Cursou todo o ensino fundamental e médio nas escolas públicas do município, passando pela José Leandro de Barros Pimentel, Prof Alcino Francisco de Souza, Alayde Domingues Couto Macedo e Prof Itajahy Feitosa Martins, assim, compreende de perto os problemas da educação no município, principalmente nas periferias.


Militante pelo Movimento Vivas, feminista, antirracista e anti LGBTFobia.


Acredita na mudança da política em Barueri, para uma política mais justa, com garantias de direitos, equidade, visibilidade e representatividade no município. Deseja trabalhar desenvolvendo projetos de lei e políticas de assistência voltadas para a população que se encontra em maior vulnerabilidade como crianças, adolescentes, mulheres, população em situação de rua, idosos, LGBTQIA+ e refugiados.

karina lima

Mulher preta, psicóloga, servidora pública e mãe solo.


37 anos e moradora de Barueri há 11. É filha de mineira e neta de pernambucanos.


Foi educadora na Fundação CASA-SP e auxiliar técnica do Conselho de Políticas sobre Drogas de Barueri.


Psicóloga, servidora pública do SUS em Barueri, trabalha em duas Unidades Básicas de Saúde do município. Acolhe, com afeto e profissionalismo, mulheres de várias idades com queixa de ansiedade e depressão, mulheres vítimas de violência doméstica, de assédio moral e sexual, além de crianças e adolescentes que sofrem violência, encaminhadas pelo Conselho Tutelar.


Com a crescente onda de retrocessos no país desde 2016, interessou-se pelo curso de Direito e atualmente está concluindo mais essa graduação, além de realizar estágio na Defensoria Pública do Estado de São Paulo.


Nas eleições de 2018, foi uma das gestoras do grupo de 4 milhões de mulheres contra Bolsonaro - #ELENÃO - representando o Estado de SP. Hoje é articuladora e ativista do Movimento Vivas - Barueri, militando junto a mulheres, nas periferias no município.


Feminista, antirracista, antilgbtfóbica e anti-capitalista, acredita na política feita por mulheres negras, pelo Bem Viver de TODES e também na garantia de direitos, como caminho para uma sociedade justa e igualitária.


Por isso, escolheu fazer parte da Coletiva "Juntas por Barueri", ao lado de mulheres da classe trabalhadora e que são a base da estrutura sistêmica, capazes de fazer a transformação social!

leila gabriel

É mulher preta, tem 46 anos, mãe solo e da classe trabalhadora.


Nascida e criada em Barueri, mais especificamente no bairro da Vila Porto, é filha do meio de uma família numerosa que sempre enfrentou com muita força, trabalho e união as dificuldades impostas pelas desigualdades social e racial do país.


Participou de movimentos estudantis e grêmios nas escolas Ivani Maria Paes e Leonor Mendes Barros. Foi atuante no movimento cultural da cidade, junto às escolas de samba.


Se compreende como mulher preta desde a infância, e por isso sempre viveu dentro da militância seja em movimentos negros, culturais e também na construção de candidaturas no município.


Acredita que é o momento de construir uma política antirracista com garantia de direitos, respeito e dignidade a todos. Pensando nas sementes que serão plantadas e na representatividade real da população de Barueri.

rose soares

É mulher negra, mãe solo, evangélica e servidora pública desde 2009.


Trabalhou em creches como Agente de Desenvolvimento Infantil, eleita Conselheira Tutelar pela primeira vez em 2011, exerceu essa função por 2 mandatos consecutivos, até janeiro de 2020. E como Conselheira Tutelar se tornou referência para formação de novos conselheiros.


Luta pela garantia dos direitos da criança e adolescente, incluindo as graves violações como abuso sexual, maus tratos e trabalho infantil. Teve participação efetiva na construção dos seguintes planos municipais: Plano Municipal de Educação e Plano Municipal Para a Infância e Adolescência (PMIA)


Feminista, antirracista e defensora de Direitos Humanos, entende que a política é um importante instrumento de transformação social, desde que alcance a todos de forma igualitária, construindo pontes, criando oportunidades, garantindo visibilidade, voz às minorias e aos menos favorecidos.

sabrina nabuco

28 anos, filha de alagoanos, engenheira, atua com desenvolvimento de sistemas e é graduanda em Ciências Sociais.


Residente de Barueri desde seu nascimento, cursou o ensino fundamental e médio nas escolas públicas da cidade, tendo estudado nas EMEFs Adherbal, Deiró, Brandão, FIEB Maria Theorora e, finalmente, fez técnico em administração no ITB Munir José.


Em 2005 foi premiada pela primeira vez na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP), o que fortaleceu seu interesse pelos estudos na área de exatas, graduando-se em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP.


Militante feminista e antirracista organiza-se em movimentos sociais desde 2013, após passar pelo processo de transição capilar, realizar seu "grande corte" e entender que seu cabelo era, também, um ato de resistência.


É co-idealizadora do coletivo negro Poli Negra na USP e atua no Movimento Vivas desde 2018 em Barueri.


Agora compõe a pré-candidatura coletiva Juntas por Barueri, com o objetivo de construir uma política inclusiva, feminista e antirracista!